domingo, março 27, 2005

Livre...


Já foi preso? Preso, não enquadrado, tapa na cara, bronca de gambé ou graninha do café e da coxinha (que eles vão tomar de graça de qualquer forma)... Preso do tipo cadeia, grades, companheiros de cela e tudo mais? Pois saiba com antecedência que não tem nada de glamuroso, divertido ou especial nisso... Muito pelo contrário... É chato... E o tempo não passa... Mesmo... É solitário, é frio e é pessimista... É esclarecedor também, mas não vale nenhum insight nesse mundo, principalmente quando você não sabe o que vai ser de você... Quando você descobre que um dos seus companheiros de cela está extremamente doente, e toma soro improvisado numa cela fétida, imunda, cheia de mijo espalhado pelo chão enquanto precisa de atendimento médico... Quando você fica sabendo que a polícia rouba as coisas que os parentes levam para os presos, que eles tem que pagar dez reais por dois maços de hollywood pros mesmos malditos policiais... Quando você descobre que todo mundo é zoado pelo carcereiro, tem uma luz idiota acesa na sua cara 24 horas por dia, e não consegue dormir mais de 30 minutos por vez... Não é nada legal... Não é legal ser preso por merda nenhuma, por estar no lugar errado na hora errada... Bom, vamos à história, não?

Sabadão à noite, minha filha tá com gripe, então não vou expô-la ao frio num domingo de manhã, obviamente... Não preciso acordar cedo no domingo, show do rock rocket no sábado então...

Maior rolê, estava sem um puto por causa da viagem e o noel não tinha como me colocar na lista, entao fui até a casa do meu pai buscar um dinheiro pra entrar no show... Primeiro resgata o Almir, depois busca dinheiro com meu pai, depois pega a Veri, a Fabi e o Igor e finalmente ruma pro juke joint... Pois bem, até aí, ótimo, barzinho na Frei caneca, maior galera, diversão total, tudo mil maravilhas... Acabamos rumando prum bar na Paim, ideia da Marie... Porta do show, volta pro bar, Rully parte pro show, mesa com as meninas, altas diversões... Sair fora pro show... A Veri e a Fabi foram na frente, hora que eu saio, bem ao lado da porta dois malditos policiais mandam eu por a mão na parede e comçam a revista... O que você tá fazendo aqui? Tem entorpecente? bla bla bla... De repente tiram um pouquinho de maconha do meu bolso... "É, da para fazer um fino com isso aqui..."... Eu explico que não era nem meu, que era maior quantia ínfima, que pelamor de deus, convenhamos, não? Nada, querem saber onde eu comprei... "Porra! eu não comprei, não sei de porra nenhuma, tava no meu carro, voltei de viagem, alguem derrubou no carro, eu pus no bolso por que eu tenho família e as pessoas usam o carro também"... Mas nada, se eu não falo quem vendeu é cadeia... Então que seja, pq ninguem me vendeu... Aí altas encheções de saco, estranhamente queriam que eu "confessasse" que eu comprei essa merda no bar que eu estava e que se eu confirmasse isso até o caminho até a viatura eu estava liberado... Eu obviamente não disse que tinha comprado lá, afinal de contas, simplesmente não tinha... Nisso eu estava com 3 celulares no meu bolso... Simplesmente pq eu estava carregando o da Rully para ela e a Fabi tinha esquecido o dela na mesa e ainda por cima tinha o meu... Pronto... Ladrão de celular! "Se vc não é ladrão de celular então liga pros dois do seu" Liguei, pronto, cala a boca gambé escroto... O caralho, viatura, frente da Paim e muitos coxinhas enchendo o saco pra confessar o que não tinha como confessar... Nisso, a viatura bem na frente daquele "condominio" da rua Paim onde só tem tráfico e prostituição o idiota aqui manda os coxinhas entrarem lá e rem atrás de criminoso de verdade... Enquanto isso a Marie brigava com os "polícia", desde uns 5 minutos depois do enquadro... O tempo fechou... Acabei peitando demais os semi-alfabetizados fardados, a galera já tinha se juntado, Noel, Veri, Luis, Marie, etc., e agora é cadeia... Me enfiaram no camburão e DP.

A Fabi chegou na DP logo depois de mim, mas não tinha mais muito o que fazer... Cela vagabundo... Cela fedida, escrota... Tratei de fazer amizade com o pessoal... Isso depois de ouvir merda do carereiro e quase ser jogado pelado dentro da cela... O pessoal era gente fina... Fiz mais amizade com um cara de uns 30 anos, réu primáro que tinha roubado um celular... Me deu vários cigarros, o que vale ouro na delegacia, trocamos altas ideias, foi legal... Mas o tempo não passava... Eu não sabia o que estava acontecendo lá fora, se ia ter alguém me esperando, se alguém sequer se importava... Deita no chão sujo e frio... E duro... Muito duro... O tempo... não... passa... Fuma, fica assustado, fica com raiva... Horas e mais horas... De repente aparece um delegado: "Então você estava indo ver um show dos inocentes?" "Não, duma banda de uns amigos...". O delegado vai embora... Amanhece (na minha concepção, afinal não tem janela, mal o ar consegue circular)... As horas vão passando...

O ódio toma conta, a vontade de começar a gritar impropérios contra a dignissima corporação aumenta... Assim como o medo...

Mais horas passam, levanta, anda pra lá e pra cá... O Amigo acorda, oferece mais um cigarro... O carcereiro vem encher o saco dizendo que eu estou fumando maconha na cela... Tá bom então... Será que tem alguém lá fora... Será que ainda é como no tempo dos punks e tem um monte de gente se mobilizando lá fora pra lutar contra injustiça da justiça? Quem sabe?

Horas passam... Parece que já passaram mais de 10 horas... E nada... Ninguém me cont nada... Ouço vozes bem ao fundo... Não consigo reconhecer... Uma impressora matricial começa a imprimir algo... É agora, é só eu assinar e eu saio... Mas a impressora não para de imprimir mais... Nunca mais, não deve ser comigo... Será que os coxinhas ainda lembram de mim aqui nessa porra de buraco fedido? Será que eles sabem ler? Será que eu vou sair daqui? Devia ter ligado pra alguém... Merda... Não devia ter dito pro Noel desencanar de chamar o irmão advogado dele... Merda!

Passos... Sempre ouço passos, olho em direção ao lado de fora a cela, mas nunca vejo o dono deles... Nunca é alguém vindo até a cela... Mija na garrafa de novo... Nojo das roupas, do próprio corpo sendo impregnado por aquele cheiro de prisão...

Tenta dormir...

Tenta dormir...

Tenta dormir...

Tenta dormir...

Fecha o olho... O amigo acorda de novo... Cigarro... Raiva... Anda...

Abrem a porta... Saio com ódio, querendo passar por cima de todo policial que eu ver lá dentro... Cheio de um virtuosismo idiota... Oh, o pobre injustiçado terá sua vingança... Assina o papel seu trouxa... São umas 20 vias... Só consigo olhar pra Fabi com alívio... Alguém não me esqueceu... A Rully também está lá... Entro no carro ainda meio paralizado... A vida aqui fora é meio surreal... Tento sentir aquela valorização da liberdade, tão comum aqueles que quase alguma coisa... Nada... Só medo, raiva, ódio, impotência... Mais uma vez a Fabi tinha encarado uma batata quente pra me ajudar... Mais uma vez eu não consigo sentir o mínimo comprometimento com nada na Rully... Ah, tava indo embora pq estava com frio... Ficou no show por que a fabi falou que eu estava preso mas tudo bem... Porra, eu tava preso... Essas coisas tem me feito questionar tudo ha um bom tempo... É meio complicado e nem é assunto pro blog, mas tipo que as vezes transborda essa sensação de "afinal, pra que?"... Mas deixa pra mim, não pra você... A questão toda é que eu me sinto muito lixão vendo todas as vezes que a Fabi se presta a dar umas forças que ela não tem a mínima obrigação de dar... Acho que é uma questão de sensibilidade pra saber quando as pessoas realmente precisam que não é todo mundo que tem... Eu por exemplo não tenho, mais ainda assim consigo ter um mínimo de empatia pra perceber nos momento cruciais ou ao menos importantes... Muita gente não tem nem isso... A Fabi tem de sobra... eu fico meio fascinado com tudo isso... Como algumas pessoas podem ser tão legais quando a gente simplesmente nem mereçe... E muita gente foi foda, cada um à sua maneira... E eu agradeço todo mundo do fundo do meu coração...

E torno público:

Minha experiência com a polícia até hoje, passando da vida de punk, pela de junkie até a de pessoa de bem se resume aos seguintes fatos:

1-) Policiais roubam... Já me roubaram farinha quando eu tinha esse hábito idiota, roubaram dinheiro do Diego, e o zipppo dele...
2-) Policiais abusam do poder, metem tapa na sua cara, te humilham, apontam armas para sua cabeça (o que é proíbido) e ameaçam te matar.
3-) Policiais frequentemente tem acertos com traficantes, fazendo vista cega muitas vezes para pontos de tráfico fixos e no meio da rua, enquanto a população denuncia o tráfico e fica a ver navios. Esses mesmos policiais preferem esperar do lado de fora da bocada e roubar as drogas dos usuários ao invéz de cumprir sua função e enfrentar criminosos de verdade.
4-) Policiais tem medo de enfrentar traficantes e odeiam ter isso esfregado em suas caras.
5-) Policiais não respeitam o cidadão e o tratam como culpado mesmo que se prove o contrário.
6-) Policiais são sádicos e sentem prazer em se achar acima da lei ou do bem e do mal. Atiram em garotos no rosto dentro da delegacia e saem impunes (se duvidam eu apresento)
7- POLICIAIS SÃO UM BANDO DE FILHOS DUMAS PUTAS E A CADA UM QUE É EXECUTADO SUMÁRIAMENTE EU FAÇO UMA PEQUENA FESTA INTERIOR, SEJA ELES SEU PAI, SUA MÃE OU SUA TIA...

One Dead Cop (by Leftover Crack)

Power Abuse
authority misuse
they kill and rape
and it won't be on the news
but you're the good one
with a badge and a gun
braggin' how you blasted shots of 41

POLICIA! Line up on the wall!
POLICIA! Beat it out of them
POLICIA! Kill and lie some more!
POLICIA! Conspiracy to cage the poor!

One dead cop
no more doughnut shops
more dead cops
might make the hurting stop

Kill Cops!!!!