sábado, abril 30, 2005

...



rock rocket rockando a casa das caldeiras...

quarta-feira, abril 27, 2005

Video post 1- Diego sobre o punk

Video post, clique na imagem para assistir

domingo, abril 24, 2005

The beach


Então, de volta de viagem, foi legal e tal... Acho que eu nasci pra morar na praia... Na verdade venho planejando morar na praia depois de me formar faz um tempo... Alguma perto de São Paulo, afinal de contas eu tenho coisas a fazer aqui... Mas sei lá, praia perto de são paulo é uma merda... Pior que o capão redondo... Mataram um turista numa praia ao lado da que eu estava... De tarde... Oh, well, o jeito vai ser ficar rico e comprar uma praia... Um pouco mais trabalhoso, but fuck it!

1969 (by the stooges)

Well it's 1969 OK all across the USA
It's another year for me and you
Another year with nothing to do
Last year I was 21 I didn't have a lot of fun
And now I'm gonna be 22 I say oh my and a boo-hoo
It's 1969 OK all across the USA
It's another year for me and you
Another year with nothing to do
Another year with nothing to do
It's 1969
1969 1969 1969 1969 baby
And it's 1969 bayyyyyyybee
Baby
Baby
Baby

quinta-feira, abril 21, 2005

O assalto frustrado...

Sendo rápido pq eu estou indo viajar até sábado à noite...

Bom, aí eu parei na frente do prédio do Flávio e liguei pra ele descer... Mó demora, tem um boteco do lado do prédio dele, onde uns 3 caras tavam tomando umas... Do nada vem um até a minha janela e debruça sobre ela: "Sabe o que eu quero?" "uhm?" "O seu celular" - tudo isso com ele com a mão dentro da camisa como se segurasse uma arma... Devia ter um pouco mais que a minha altura, era meio magro, uns 20 anos talvez... Fiquei meio assustado, devo admitir, mas reagi da unica maneira que eu podia reagir: "Num vai dar não meu..." "Quer tomar um tiro na cabeça?" Olhei de novo e tava muito óbvio que o cara tava com o dedo apontado pra mim por dentro da camisa. Abri a porta do carro, com o cara na janela e tudo e fui pra cima... Por patético que seja chegam os amigos dele e começam a se desculpar por ele, e falar que ele tá bebado e tal... Apertam minha mão... E o cara, que eu já tinha chamado dos mais diversos nomes carinhosos que você pode chamar um pau-no-cu desse querendo vir tirar satisfação, que eu tirei ele e tal... Mandei chegar junto mas os amigos dele não deixavam... Ficou nisso... Tem coisas que definitivamente só acontecem comigo...

quarta-feira, abril 20, 2005

Ch-Ch-Changes


Segunda-feira eu fui visitar o Flávio depois da aula, e, enquanto caminhávamos até o pão de açucar onde ele ia comprar um vinho (blearg, odeio) chegamos a conclusão que todo mundo está com vida mudada esse ano... Quer dizer, todo mundo fez alguma ou várias mudanças na própria vida... Não é um evento solitário... Aconteceu com todo mundo... E aparentemente pro melhor pra todo mundo... É estranho mas quase todo mundo que eu conheço deu uma reviravolta na vida desde o começo do ano... Uns antes, outros depois, mas é incrível que parece que ninguém é mais o mesmo esse ano... Eu tive tantas mudanças na vida que mal consigo me reconhecer como o antigo Erick... O Flávio fez diversas mudanças tmbm, até acabou com um relacionamento de 8 anos e acabou junto com a (L)Indaiara, o que merece aplausos... Tá bem, feliz, até corado! Um monte de gente não bebe mais, ou bebe de maneira diferente que costumava beber... As coisas começaram a dar certo com mais freqüencia pra todo mundo... As pessoas parecem mais calmas e mais felizes. Acho isso perturbantemente incrível. Por enquanto tá todo mundo numa ótima. Vamos aproveitar, não?

O Flávio diz que é a tal da era de aquário... Eu digo que é estranho...

I-94 (by radio birdman)

I gave you my last box of matches
Do you remember when
We were living up in the Klondike
And you had run out of gin
Truck driving friend of mine said
You was in the noose
Director of the asylum
Decided to turn you loose

Eskimo Pies comin' to you aha yeah
Eskimo Pies comin' to you
Yeah burning to you straight from hell

Twenty-two years of Motor City madness
Living in Lincoln Park
Working up at Willow Run
Driving through the dark
I-94 so full of holes
I seem to hit everyone
Tranq city makes me feel the rain
Under cold grey sun

Eskimo Pies comin' to you aha yeah
Eskimo Pies comin' to you
Yeah burning to you straight from hell

I gave you a six pack of Stroh's
You never drank 'em down
You keep drinking Rolling Rock
You know I can't hang round
You got Garland Jeffreys on the car radio
You know I don't need you
You can go to Europe with Jean-Paul
Or anything you want to do

Eskimo Pies comin' to you aha yeah
Eskimo Pies comin' to you
Yeah burning to you straight from hell

quinta-feira, abril 14, 2005

Mostra presses cu cuméqui faz!


Time de verdade é assim... Ê tricolor, viu? Geralmente eu me abstenho de falar de futebol, prefiro torcer quietinho no meu canto e guardar pra mim, mas dá gosto ser são paulino... Ô time do caralho...

Chupa argentino racista do caralho!

sábado, abril 09, 2005

Arthur Franquini R.I.P.


Conheci o Arthur em 1997. Ponto de ônibus da rebouças, aquele do hospital das clínicas. Conversamos sobre Dead Boys. Ele usava aquele boné com o símbolo dos NY Yankies, o mesmo que continuou usando por pelo menos uns 3 anos mais. Azul. Montamos nossa bandinha. Foi o melhor baterista que eu já toquei junto e por que não, o melhor q eu já ví tocando. Ainda em 97 nossa banda acabou, e um pouco depois o seven day weekend (que era outra banda dele) com algumas alterações se tornava o forgotten boys. Bom, nosa banda acabou mas a amizade não. Era acima de tudo um garotão bem-humorado. Uma daquelas pessoas que te fazem sorrir, você querendo ou não. Uma daquas pessoas que depois que partem desse mundo arrancam lágrimas dos seus olhos quase toda hora por 4 dias seguidos e contando... Ainda lembro de irmos no Habib`s da Faria Lima com a Pedroso, ele pedir um milk shake de chocolate, dar uma catarrada, mexer com o canudinho e oferecer pra quem estivesse na mesa. Lembro de a gente cantar junto "um dia, um adeus" do Guilherme Arantes(!!!) antes dos ensaios. Lembro de uma madrugada, quando eu ainda morava na rua dos pinheiros, em que a campainha ficou tocando incessantemente mas eu nem fui abrir por que era muito tarde e no dia seguinte receber uma ligação dele: "Viu o Johnny Thunders?" - Sim, ele havia arrancado um anuncio do jornal da tarde onde se lia "JT" em letras garrafais e prendido na porta do meu prédio. Lembro dele vindo aqui em casa quando finalmente saiu o primeiro CD do forgotten pra me dar uma cópia de presente autografada: "Erick; Jesus te ama! Arthur". Lembro dele vindo aqui em casa jogar San Francisco Rush e nós nos divertirmos mais em ficar tentando causar batidas estondosas do que realmente ganhar a corrida. Lembro em 2000 quando eu estava com um monte de problemas dele me ligar toda hora e passar horas no telefone conversando comigo. Lembro dele telefonando pra mostrar a versão do lords of the new church de "hey tonight" e de nós dois sincronizando a versao original com o cover por teefone graças a sua extrema habilidade com a tecla pause. Lembro dele dedicando uma música pra mim e pra Júlia num show do forgotten na Cohab de Taipas, das coisas bonitas que ele falou aquele dia, pra logo depois contar de uma super-aventura de dormonid que ele tinha tido. Lembro de ir na casa dele assistir videos rarissimos do Stiv Bators e do Johnny Thunders. Lembro dele mostrando os segredos em sua gaveta. Dele contando sobre como ele se sentia em relação a Juliana. Lembro dele no casarão da paulista empolgado como uma criança com minha capacidade de vomitar voluntáriamente e pedindo pra eu repitir e me levando pra lá e pra cá pra mostrar pras pessoas. Lembro de encontrá-lo no Jive em novembro pela última vez. Parecia feliz. Lembro de não acreditar que ele realmente tinha morrido, mesmo no cemitério. Simplesmente não parecia ser verdade. Ainda queria telefonar pra ele e xingá-lo pelo susto que ele nos deu. LEmbro de a ficha só realmente cair horas depois, do vazio que tomou conta de mim e que desde então não consigo não chorar ao pensar nele. Era alguém que eu amava muito, mesmo tendo mantido certa distância nos últimos tempos. A sensação que fica é que ficou faltando algo. Ficou faltando mais um abraço, ficou faltando mais um telefonema, mais uma cerveja... Ficou faltando falar tanta coisa. Que talvez ele até soubesse, mas faltou. Faltou dizer-lhe o quanto ele era um amigo do caralho. Faltou dizer o quanto eu gostava dele, o quanto ele era uma das pessoas mais especiais e integras que eu conheci. O quanto eu admirava tanta coisa nele. Faltou dizer que ele faria tanta falta. Pedir pra ele não ir... Porra, faltou muita coisa de verdade. Agora está extremamente difícil, com o tempo as coisas ficam mais normais, mas o mundo será pra sempre um lugar bem mais triste sem ele. Espero que, onde quer que ele esteja ele saiba o quanto ele vai fazer falta, não só pra mim mas para uma quantidade absurda de gente que o amava tanto quanto eu. Espero que ele esteja num lugar melhor.
Um dia ele me ligou e me disse que tinha mandado fazer um mapa astral e que tinha dado que ele ia fazer algo de muito importante pela humanidade. Eu esperei ansiosamente pra presenciar esse dia, e volta e meia me lembrava disso e pensava quanto tempo faltava pra o Arthur fazer essa coisa tão importante. Quando ele se matou pensei: "Porra, essa coisa ficou faltando". Ora, não ficou faltando não. Eu não tinha percebido e certamente ele também não havia se dado conta, mas ele fez a coisa mais importante pela humanidade: Mesmo que por tão pouco tempo nos deu a oportunidade de ter por perto alguém tão extraordináriamente especial. Não sei o que mais a humanidade poderia pedir.
Descanse em paz, Arthur
The sun rises for you now!
Com amor, Erick
You Can't put your arms around a memory (by JT)

It doesn't pay to try,
All the smart boys know why,
It doesn't mean, I didn't try,
I just never know, why.
And when I'm home
Big deal, I'm still alone.

It's so restless, I am,
Beat my head against a pole
Try to knock some sense, down in my bones.
And even though it don't show,
Those guys are so old.
And when the go
They let you know

Can't put your arms around a memory,
Can't put your arms around a memory,
Can't put your arms around a memory.
Don't try
Don't try

You're just a basket case.
And you got no name.
Could you live with me?
Go on and say.
And even though it don't show
Those guys are so old.
And when the go
They let you know, ok

Can't put your arms around a memory,
Can't put your arms around a memory,
Can't put your arms around a memory.
Don't try
Don't try

pqp

porra, tá foda... :(

quarta-feira, abril 06, 2005

...


Vincent (Don Maclean)

Starry, starry night
Paint your palette blue and gray
Look out on a summer's day
With eyes that know the darkness
in my soul...

Shadows on the hills
Sketch the trees and the daffodils
Catch the breeze and the winter chills
In colors on the snowy linen land.

Now I understand
What you tried to say, to me
And how you suffered for your sanity
And how you tried to set them free:
They would not listen; they did not know how --
Perhaps they'll listen now.

Starry, starry night
Flaming flowers that brightly blaze
Swirling clouds in violet haze
Reflect in Vincent's eyes of china blue
Colors changing hue
Morning fields of amber grain
Weathered faces lined in pain
Are soothed beneath the artist's loving hand.

Now I understand
What you tried to say, to me
And how you suffered for your sanity
And how you tried to set them free:
They would not listen; they did not know how--

Perhaps they'll listen now.

For they could not love you
But still, your love was true
And when no hope was left inside
On that starry, starry night
You took your life as lovers often do--
But I could've told you, Vincent:
This world was never meant
For one as beautiful as you.

Starry, Starry night
Portraits hung in empty halls
Frameless heads on nameless walls
With eyes that watch the world and can't forget
Like the strangers that you've met
The ragged men in ragged clothes
The silver thorn, a bloody rose
Lie crushed and broken on the virgin snow.

Now I think I know
What you tried to say, to me
And how you suffered for your sanity
And how you tried to set them free:
They would not listen; they're not listening still--
Perhaps they never will.

terça-feira, abril 05, 2005

Já dançou com o diabo numa noite de luar?



Tá passando Batman (1989) na TNT! Uma das melhores adaptaçoes de quadrinho pra filme de todos os tempos! Mesmo tendo Michael Keaton

Não ao ato médico!


NA-NA-NI-NA-NÃO


Qual a diferença entre um médico e deus?

Deus não pensa que é médico!

sábado, abril 02, 2005

Internerd


Pô, menos de 3 horas de reincursão pelo orkut e já estou com ódio mortal... Porra, só dá erro, num dá pra fazer procura, tudo cai em bad server... Isso sem contar o fotolog.net que nunca funciona, ou o blogger que deu de ficar dando pau e comendo meus posts ultimamente ou até mesmo a trama virtual que sempre da pau e eu acabo com um monte de música pela metade... O fato é: Anos atrás, quando de tão básicas as páginas todas se pareciam umas com as outras, algumas figuras, uma formatação estilo word, as músicas eram em .wav de baixa qualidade e a febre era e-mail as coisas funcionavam... A única possibilidade de dar errado era a página ter sido removida. Hoje, os caras deram um passo tão, mas tão avançado em direção ao futuro que nada funciona mais! Nada! Quer ver uma página na internet? Tem que instalar a nova versão vo flash. Ou então a página tá cheia de pau de script! Quer baixar uma música? Dá pau! Quer ver uma página? Dá um monte de pau de script!
A lista continua quase infinitamente. Acho que é isso que me irrita no ser humano... Se faz bonito fica tentando se superar e acaba fazendo merda!

sexta-feira, abril 01, 2005

Cueca Cuela

Se você é...

...da vibe sussa...

...da vibe gas...

...da vibe pega...

...ou da vibe festa...

...por que não vai tomar no seu cu????

lousy