quinta-feira, janeiro 19, 2006

a-ha

devo admitir, que 24 anos depois do meu nascimento eu finalmente amo minha família... 24 anos, mas melhor que 40 anos, porra... Minha mãe fez uma intervenção individual sobre o meu alcoolismo... Conversou coisas tão simples, disse coisas que realmente conduizem com o que eu estou sentindo e com o pq eu estar bebendo tanto ultimamente... Não precisou juntar meio milhão de amigos, pq cá entre nós, eu sei que as duas pessoas que eu mais conto são ela e meu pai... cada um à sua maneira, mas eu amo os dois... Por mais atritos que eu tenha tido com qualquer um dos dois, são as duas únicas pessoas que eu sei que me amam incondicionalmente de verdade, e não importa o que eu faça, eu sei que estarão do meu lado... mesmo que eles nunca concordem com merda nenhuma que eu faça, e briguem o tempo inteiro pq eu só cago minha vida, eu sei que eles nunca me deixariam na mão... e isso é mto bom, pq como poucas pessoas eu nunca poderia me queixar de pais que navegam entre esquecer que tem filho e depois compensar ficando em cima o tempo todo... Porra, haja saco pra esses dois, mas se não fosse por eles eu nem sei o que seria por mim... Qdo vc fica mais velho e vê que fez tanta merda na vida, ver que existe a preocupação e a cumplicidade da parte de alguém te faz ganhar o dia... Eu não teria como agradecer ao meu pai pelo tanto que ele se arriscou pra me ajudar a esconder coisas que só ele entenderia mas minha mãe não, mesmo sabendo o risco que ele estava correndo... tmbm não teria o quanto agradecer minha mãe pelos erros que ela tem cometido com o intuito único de me proteger... Mesmo que eu não queira mais ser protegido, não há sensação melhor do que a de saber que tem alguém pronto pra amortecer sua queda, não importa quem seja... Acho muito legal chegar ao ponto de admitir que aquelas pessoas que vc achava tão chatas qdo vc era jovem, hj são seus melhores amigos...